Welcome



INICIO
EDITORAS PARCEIRAS
BLOGS PARCEIROS
BOOKLIST
LINK-ME
SELINHOS
CONTATO

13 setembro 2012

#34 William Shakespeare - 42 Sonetos

Título: William Shakespeare - 42 Sonetos 
Tradutor: Ivo Barroso
Editora: Nova Fronteira
Número de Páginas: 141

Sinopse:
" Ao longo de todos esses anos que vimos nos dedicando à transposição desses versos imortais, se houve quase sempre a sensação de incompletude, a frustração de não conseguir a desejada semelhança, a mesma riqueza e elevação de tom que prevalece no original, por outro lado alguma vez nos visitou a alegria de ter produzido um ou outro verso que espelhava um momento satisfatório de nossa própria realização. " Ivo Barroso.


Resenha:

Li esses sonetos há muito tempo, mas nada como ler os versos de um poeta imortal para nos deliciarmos.
A primeira edição destes sonetos saiu em 1973 com apenas 1.200 exemplares.
Nessa edição feita pela Editora Nova Fronteira os versos estão em inglês e português, com sonetos selecionados que tanto fez sucesso na época. 

Quem foi Shakespeare?

Shakespeare é considerado um dos mais importantes dramaturgos e escritores de todos os tempos. Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, onde são retratadas freqüentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura.

 Biografia e obras:

Nasceu em 23 de abril de 1564, na pequena cidade inglesa de Stratford-Avon. Nesta região começa seus estudos e já demonstra grande interesse pela literatura e pela escrita. Com 18 anos de idade casou-se com Anne Hathaway e, com ela, teve três filhos. No ano de 1591 foi morar na cidade de Londres, em busca de oportunidades na área cultural. Começa escrever sua primeira peça, Comédia dos Erros, no ano de 1590 e termina quatro anos depois. Nesta época escreveu aproximadamente 150 sonetos.

Embora seus sonetos sejam até hoje considerados os mais lindos de todos os tempos, foi na dramaturgia que ganhou destaque. No ano de 1594, entrou para a Companhia de Teatro de Lord Chamberlain, que possuía um excelente teatro em Londres. Neste período, o contexto histórico favorecia o desenvolvimento cultural e artístico, pois a Inglaterra vivia os tempos de ouro sob o reinado da rainha Elisabeth I. O teatro deste período, conhecido como teatro elisabetano, foi de grande importância. Escreveu tragédias, dramas históricos e comédias que marcam até os dias de hoje o cenário teatral.

Os textos de Shakespeare fizeram e ainda fazem sucesso, pois tratam de temas próprios dos seres humanos, independente do tempo histórico. Amor, relacionamentos afetivos, sentimentos, questões sociais, temas políticos e outros assuntos, relacionados a condição humana, são constantes nas obras deste escritor.

No ano de 1610, retornou para Stratford, sua cidade natal, local onde escreveu sua última peça, A Tempestade, terminada somente em 1613.

Em 23 de abril de 1616 faleceu o maior dramaturgo de todos os tempos, de causa ainda não identificada  pelos historiadores.

Principais Obras:

- Comédias: O Mercador de Veneza, Sonho de uma noite de verão, A Comédia dos Erros, Os dois fidalgos de Verona, Muito barulho por coisa nenhuma, Noite de reis, Medida por medida, Conto do Inverno, Cimbelino, Megera Domada e A Tempestade.

- Tragédias: Tito Andrônico, Romeu e Julieta, Julio César, Macbeth, Antônio e Cleópatra, Coriolano, Timon de Atenas, O Rei Lear, Otelo e Hamlet.

- Dramas Históricos: Henrique IV, Ricardo III, Henrique V, Henrique VIII.

Frases de Shakespeare:

- "Dê a todos seus ouvidos, mas a poucos a sua voz."
- "Antes ter um epitáfio ruim do que a maledicência durante toda a vida."
- "Ser, ou não ser, eis a questão."
- "Sem ser provada, a paciência dura".
- "As mais lindas jóias, sem defeito, com o uso o encanto perdem".
- "Pobre é o amor que pode ser contado".
- "Nada me faz tão feliz quanto possuir um coração que não se esquece de seus amigos".

 Estes sonetos são os mais lindos da minha opinião, neste exemplar. Basicamente são 42 sonetos (inglês\português) com Ivo Barroso detalhando o mistério dos sonetos shakesperianos.

Devo igualar-te a um dia de verão?                                              
Mais afável e belo é o teu semblante:                                              
O vento esfolha Maio inda em botão,                                            
Dura o termo estival um breve instante.                                    
Muitas vezes a luz do céu calcina,                                                
Mas o áureo tom também perde a clareza:                                     
De seu belo a beleza enfim declina,                                                
Ao léu ou pelas leis da Natureza.                                                    
Só teu verão eterno não se acaba                                                 
Nem a posse de tua formosura;                                                     
De impor-te a sombra a Morte não se gaba                                   
Pois que esta estrofe eterna ao Tempo dura.                                    
Enquanto houver viventes nesta lida,                                         
Há-de viver meu verso e te dar vida.
.

Leva-me, amor, todos os meus amores:                                       
Que tens agora a mais que não te déssemos?                          
Nenhum sincero amor, amor, que apores                                        
Ao quanto era já teu sem tais acréscimos.                                        
E se é por meu amor que o amor me raptas,                                 
Não te posso culpar se dele abusas;                                        
Todavia te culpo se te adaptas                                                       
Só por capricho ao que em geral recusas.                                  
Gentil ladrão, eu te perdôo a ofensa,                                            
Pois roubaste de ti minha pénuria,                                               
Que sempre soube o amor ser dor mais densa                            
Sofrer seus erros que do ódio a injúria.                                    
Lasciva graça, que faz bem do mal;                                           
Morro de teu desdém, não teu rival.
...


Espero que tenham gostado.
Comentem!
Bjs.

13 comentários:

  1. Oi Lauri, eu nunca li nada de Sheakspeare, apesar de conhecer vários de seus textos. Adorei os sonetos que você copiou, se tiver oportunidade, lerei os demais.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Lauri
    eu nunca li, mais ja vi varias obras que tem seus versos e sonetos, adoro... principalmente o ser ou não ser..
    lembro de um filme que tinha como atriz a kate winslet e no filme tinha este verso e eu amei.. só nao lembro se o filme foi Hamelet ou Contos proibidos do Marques de Sade..
    Adorei seu post

    bjs
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Os sonetos de Shakespeare são lindíssimos mesmo. Li há muito tempo atrás. Aliás adoro Shakespeare, os sonetos e as peças de teatro.
    Belo post.
    Beijo, Nadia

    http://navirj.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não tem como, "Tio Shake" é perfeito demaaaaaaaaaaaaaais *o*
    Ps: o lay lindão foi a Mari do Desconstruindo As Palavras, minha amigona quem fez *-*


    *Vitamina De Pimenta*

    ResponderExcluir
  5. Oi, Lauri!
    Não sou muito fã de sonetos, poesia e por aí. Mas gosto das peças de teatro dele.

    Beijos,
    Bianca - www.epilogosefinais.co.cc

    ResponderExcluir
  6. Lauri, sou apaixonada por duas obras de Shakespeare: Sonhos de uma noite de verão e Romeu e Julieta, claro! E nesses livros aparecem sonetos. Portanto, acho que compraria este :3

    Beijos,
    Caroline, do Criticando por Aí

    ResponderExcluir
  7. Hey,
    Nunca li nada do Shakespeare, mas tenho vontade de conhecer, sabe? Não sei se gostaria, mas queria tirar minhas próprias conclusões.

    Bye (tem post novo ^^),
    http://prateleiradepensamentos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Gosto bastante de sonetos, adorei a resenha. Nunca li nada de Shakespeare, apesar de conhecer algumas de suas obras, mas eu sou bem curiosa em relação a ele e espero poder ler algo dele logo.
    Beijos.

    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Sempre ouvi falar de Shakespeare, me encantei com os primeiros versos que li dele e fiquei curiosa em ler mais obras dele, amo clássicos e ele com certeza é um autor que amei ler, até agora só li Romeu e Julieta, mas pretendo ter minha coleção Shakesperiana na estante sim *_*

    Beijos
    Meu outro lado

    ResponderExcluir
  10. Já li alguns livros de Shakespeare como Rei Lear e Romeu Julieta, mas já faz um tempão, fiquei com vontade de ler esse, esse último soneto que você postou é muito lindo!
    Beijos
    Raiana - Território Pop

    ResponderExcluir
  11. qm nunca leu livros deles...deu curiosidade de ler esse soneto...bem bacana

    -louca por nada

    ResponderExcluir
  12. Apesar de ter curtido Romeu e Julieta e Hamlet - Quem não curtiu? - Eu não sou tão fã assim de Shakespere, é que não curto muito poetas antigos, odeio poesia U_U

    www.nadandoemlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Nunca li nada dele acredita? :( Vergonhoso, eu sei, rs, mas é vdd.
    Prometo mudarisso em breve, haha!
    Beijo!

    ResponderExcluir